domingo, 5 de setembro de 2010

A Minha Amada Imortal

Madalena
(Ivan Lins/Ronaldo Monteiro de Souza)
.
Madalena, o meu peito percebeu que o mar é uma gota comparado ao pranto meu Fique certa, quando o nosso amor desperta logo o sol se desespera e se esconde lá na serra Madalena, o que é meu não se divide Nem tão pouco se admite Quem do nosso amor duvide Até a lua se arrisca num palpite Que o nosso amor existeforte ou fraco alegre ou triste

Nenhum comentário: