sábado, 23 de outubro de 2010

A Dama do Apocalipse

.
Branco por cima e o negro de um sorriso herói
Trancam-me a mente e eu nego o quanto a dor destrói
Rasgam-me o sonho e o mal me põe na vida
E a vida me faz sem medo
.
Nos diademas, pragas, anjos de neon
Nos holocaustos trompas, flexas, megatrons
Abre-se a terra e o fogo traz a vida
E a vida não traz segredo
.
Fecha-se o ar e o sol se nega, nega-se o pão e a paz
E o amor me cega
Sete rajadas correm, somem
E uma mulher
Se entrega e se impõe ardente
Constante, serpente, vulgar
.
Rasga-se o sonho e o corpo sente a dor crescer
Abre-se a mente e o cego vê a luz nascer
Trava-se a guerra e o fogo faz a vida
.
A Dama do Apocalipse
Composição: Nathan Marques / Crispim Del Cistia
.
.
.
Credito da imagem Crissant dos blogs >
Fotografia.Crissant - ColoRaysMe
.

Nenhum comentário: